“Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas; mas eles dizem: Não andaremos nele” – Jeremias 6:16.
por Vilson Ferro Martins

Ah! Senhor...  Senhor... Senhor... Como está difícil viver a sã doutrina nestes dias trabalhosos, onde os homens são maus e os tempos difíceis! Clamamos pela eficácia de Tua misericórdia sobre nós e em nós! Amém!

Tem-se tornado uma prática entre os noivos “crentes” (propositadamente faço distinção entre o termo “crente” e “cristão”) incluir em suas bodas aquilo que comumente se convencionou chamar de “balada” ou, o “baile”; termo esse quase em desuso.  Assim, na tal balada rolam músicas dos anos 60, 70, 80 e também contemporâneas. As mesmas tem se tornado presentes trazendo para dentro das bodas a “normalidade” de que tudo está muito bem, está muito bom! Não vou nem entrar no mérito da questão do “porque” líderes estão aceitando isso como normal. Diriam que estou “julgando”, entretanto, reproduzir o que a Palavra já diz não é julgar, mas, ADMOESTAR!

Aliás, tem se tornado comum ouvir jovens dizer que “saem para a balada” após suas reuniões, bem como, festas usando músicas dos anos idos tem se tornado freqüente em muitas igrejas que em seus salões sociais embalam o “balança esqueleto” ao som de músicas mundanas, e conforme já presenciei em alguns casos até pessoas vestidas a caráter para representar a época.  Isso sim é que é viver de passado!  “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?” – (Gálatas 4:9).

Por que não seguir as tendências absolutamente CRISTÃS dos anos passados? Por que homens como James Hudson Taylor - Charles Wesley - Charles Finney - Charles Haddon Spurgeon - George Whitefield - Manoel de Melo - Martin Luther King - João Ferreira de Almeida - Martinho Lutero - João Calvino - John Wesley - John Huss, dentre tantos outros são sequer conhecidos dentre muitos “novos cristãos”?

E o que dizer dos santos que escreveram tantos hinos cristãos que hoje são muitas vezes relegados como arcaicos, antigos, repousando na prateleira empoeirada de muitas mentes, e “conhecidos” apenas como meras letras das iniciais de seus nomes em livros de hinos, enquanto as músicas dos anos x e y não são arcaicas nem antigas, mas perfeitamente normais para se usar em tais festas?

Oxalá se fizessem eventos para representar os puritanos, bem como suas palavras vindas do trono de Deus que mudaram até mesmo o rumo de nações inteiras ou se utilizassem de hinos que são inquestionavelmente divinamente inspirados...

Meu Deus, o diabo tem cirandado e muitos não tem se dado conta...

“E eis que tu és para eles como uma canção de amores, de quem tem voz suave, e que bem tange; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra” Ezequiel 32:33.

Ora, será que há algum tipo de amnésia que nos faz (ou nos fez) esquecer que o “mundo jaz no maligno” tanto no dia de hoje como nos anos passados e mesmo nos 50, 60, 70, 80... E que isso só irá acabar quando Jesus se levantar para julgar a terra?

Será que os cristãos antigos como prática de uma vida consagrada e opção pela santidade optaram por não ouvir e nem aceitar muitas de tais músicas tendo discernimento que provinham de fonte escusas, mas que hoje estão usando de conivência em aceitar que as mesmas sejam livremente tocadas, cantadas e bailadas em festas sociais e de casamento em igrejas ditas evangélicas? Antes ofereciam perigo a uma conduta santa, todavia, hoje não oferecem mais?

Será que não atentamos que, na hipótese de nossos netos e bisnetos e geração futura chegarem a casar dentro de uma igreja evangélica, músicas que hoje condenamos como nocivas e que confrontam com um cristianismo autêntico farão parte da trilha sonora de suas bodas?

Será que estamos tão aturdidos e lesados de mente que não temos discernimento para “provar” que canções com belas melodias podem ser usadas pelo diabo para disseminar sua cultura de destruição? Quer um exemplo? Um músico, artista e ator conhecidíssimo por nome de Moacir Franco cantou uma música por nome “Soleado” e na última estrofe ela diz assim:

“Prá muito longe vai essa canção
Rasgando o céu como uma oração
Ela vai dizer ao seu coração
Que eu te quero mais
Mais que a salvação”


Eu te quero mais que a SALVAÇÃO? Há algo mais desejável num homem do que a salvação eterna? Livrar-se de uma eternidade na total ausência de Deus? Como pode alguém suspirar por algo mais que a própria salvação? Pense no que tal expressão significa e no que ela implica!

A melodia envolvente fez muitos cantarem isso, ou seja, externarem, verbalizarem que estão fazendo uma opção e que no reino espiritual isso conta e muito! (Provérbios 18:21). (Se você se lembra desta música “Soleado” e a cantou, sugiro que peça perdão ao Senhor, pois, sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, o qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós; e por ele credes em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus; purificando as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro; Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva.
Secou-se a erva, e caiu a sua flor; mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada. (1 Pedro 1:18-25).

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” – Hebreus 4:12.

Será que textos como este de 1 Pedro 1:18-25 e os textos a seguir não estão fazendo mais a diferença no cristianismo em que propomos viver?

“Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” – (Mateus 26:16).


“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.
Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.
E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre” - (1 João 2:15-17).


“Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” – (Tiago 4:4).

“ROGO-VOS, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” – (Romanos 12:1-2).


Chega de referências! Se alguém não se convencer com estas, inútil será continuar colocando todas as demais advertências contidas na Palavra para um procedimento santo e um viver separado que prioriza Deus e Seu reino.

Devemos em vistas destas admoestações escriturísticas (entre tantas outras) considerar: É lícito incluir balada como parte das bodas de um casal supostamente cristão?
Pode até ser lícito, MAS, não convém!

Se Deus afirma nas Sagradas Escrituras que Ele NÃO divide Sua glória com ninguém (Isaías 42:8 – 48:11) e igualmente o Senhor Jesus frisou que quem com Ele não ajunta, espalha e quem não é com Ele é contra Ele (Lucas 11:23) e também afirmou com poder e autoridade que o “príncipe deste mundo” – satanás, não tem NADA nEle. (João 14:30). Ora, “nada” é ausência total, ou seja, os melindres do inimigo, por mais sutis que sejam NADA tem a ver com Jesus e o plano de vida do cristão (seguidor de Cristo). NADA tem a ver com qualquer coisa que seja do mundo e que tem implicações espirituais. Uma coisa é eu me utilizar de “coisas do mundo” e outra é de eu ser “utilizado” por coisas deste século.

Assim, depois de trazer a mente tais textos podemos nos perguntar: Como crêem os noivos em tal situação? Eles terão a benção completa sobre seu casamento – entendendo que “casamento” diz respeito a eles e ao relacionamento entre ambos dentro da transformação de uma só carne, portanto, algo totalmente espiritual, conforme nos revela a Sagrada Escritura? (Mateus 19:6 – Marcos 10:8 – Efésios 5:31).

Será que poderíamos colocar tal questão expressa num diálogo entre os noivos e Deus da seguinte maneira: “Olha Senhor, Tu és um convidado de honra sim e desejamos sim Tua benção sobre nosso matrimônio, portanto, o Senhor está convidado para a cerimônia, entretanto, para a festa o Senhor está dispensado, afinal, vamos “bailar” ao som de músicas profanas”!

Você faria a mesma festa de casamento, se utilizando dos mesmos fetiches, práticas, bebidas, músicas, caso o Senhor Jesus fosse um convidado de honra e se assentasse na mesa bem ao seu lado, de modo que Seus olhos contemplassem tudo?

“O Senhor olha desde os céus e está vendo a todos os filhos dos homens. Do lugar da sua habitação contempla todos os moradores da terra. Ele é que forma o coração de todos eles, que contempla todas as suas obras” – (Salmos 33:13-15).


“Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando” – João 15:14.


Talvez a esta altura alguém diga que tudo isso não passa de “santarrisse”, que não tem nada a ver e que a festa é dos noivos e eles devem mesmo é que comemorar seja de que maneira for!

Vamos para a Palavra de Deus a fim de buscar subsídios, para contrapor os que dizem que “num tem nada a ver”. Em Eclesiastes 5:1-2, 4-6 diz: “GUARDA o teu pé, quando entrares na casa de Deus; porque chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal. Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu estás sobre a terra; assim sejam poucas as tuas palavras. Quando a Deus fizeres algum voto, não tardes em cumpri-lo; porque não se agrada de tolos; o que votares, paga-o. Melhor é que não votes do que votares e não cumprires. Não consintas que a tua boca faça pecar a tua carne, nem digas diante do anjo que foi erro; por que razão se iraria Deus contra a tua voz, e destruiria a obra das tuas mãos”?

Ora, como alguém reconhecendo que se encontra na casa de Deus, supõe diante do Todo-poderoso que está “guardando seu pé”, assim o tal espera receber as bênçãos enquanto profere os votos matrimoniais e depois, nessa mesma “casa de Deus” cai na balada?

Ou então podem dizer: - Mas, o casamento é num salão social e não no templo!
Se quem está casando crê que Deus está ali no salão social para abençoar as bodas, igualmente deve crer que Ele estará na festa! Ou estou falando algo errado? Ou Ele está no todo ou não está!
Em minha humilde opinião digo que Deus não se agrade de tal atitude e que isso está perto de ser uma blasfêmia contra Ele!

Mas, alguém pode questionar: - Jesus foi a um casamento e transformou água em vinho!
Sim, é verdade e disto a Bíblia faz menção, entretanto, convém ponderar:

a)    O propósito de Jesus realizando esse milagre foi dar início ao Seu ministério e demonstrar Seu poder e autoridade, manifestar Sua glória de modo que seus discípulos cressem nEle e não dar origem a um novo filão em festas de casamento;

b)    Ele não era o sacerdote responsável pela realização do matrimônio, portanto, não tinha compromisso espiritual sobre o mesmo;

c)    Ele transformou água em vinho e não em uísque, vodka, conhaque, chopp, cerveja... O problema é quando se usa a Palavra de Deus para se “adequar” a uma determinada conduta e não a usa para CONFRONTAR determinada conduta.

d)    Ele estava apenas como convidado, portanto, podia tranquilamente discernir e aplicar a si mesmo entre o que era lícito e o que convinha fazer ou deixar de fazer.

“Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade” – Mateus 7:22-23.


Como considerações finais desde que me propus a escrever sobre o assunto (e não como “conclusões finais” porque entendo que ainda muito pode ser escrito a respeito) façamos então um paralelismo entre a cerimônia de casamento e as Bodas do Cordeiro e assim poderemos descobrir o “âmago” da festa. Para tanto, leiamos Apocalipse 19:7-8 “Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos”.

Jesus é o noivo – a Igreja é a noiva!
O Noivo está devidamente vestido para a festa!  A noiva com linho fino, PURO e resplandecente! Tudo isso fala de pureza e santidade.

O Noivo se encontra a espera da noiva, e Este virá até parte do caminho (nas nuvens – 1 Tessalonicenses 4:17) encontra-se com ela e então, conforme a Bíblia nos revela haverá uma memorável Bodas.

Nessa Boda haverá sim muita alegria, muita exultação e GLÓRIA! Leiamos novamente parte do texto em Apocalipse: “Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória” – DEMOS-LHE GLÓRIA!
Aqui está o âmago das bodas – Externar GLÓRIA ao Cordeiro!

Se o matrimônio – como todos nós bem conhecemos – tem repercussão imediatamente espiritual, então, deve acima de tudo tributar GLÓRIA ao Senhor. Não apenas alegria aos convidados; não o desejo de alegrar gregos e troianos; não alargar a porta para que passe coisas reprováveis pela luz!

Por que ou até quando coxear entre dois pensamentos? “Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o, e se Baal, segui-o. Porém o povo nada lhe respondeu” – (1 Reis 18:21).

Por que em nome da “boa vizinhança” ou da “amizade” cavar cisternas rotas? “Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas” – Jeremias 2:13).

Esses tais, depois podem buscar – ao longo do relacionamento conjugal -  sedentamente pela “água”, mas não encontrarão. “Porventura não fizeste isto a ti mesmo, deixando o Senhor teu Deus, no tempo em que ele te guiava pelo caminho? A tua malícia te castigará, e as tuas apostasias te repreenderão; sabe, pois, e vê, que mal e quão amargo é deixares ao Senhor teu Deus, e não teres em ti o meu temor, diz o Senhor Deus dos Exércitos” – (Jeremias 2:17-19).

Assustadoramente observamos que cada dia um aumento exponencial no número de divórcios e creio eu que a maior razão para isso é que os cônjuges querem Deus apenas como testemunha em seus casamentos e não como SENHOR de suas vidas e de seus lares (de seu casamento).

Se seu casamento foi assim chame seu cônjuge e juntos orem clamando o perdão do Pai e renovem um compromisso com Jesus para que Ele seja Senhor de suas vidas e Senhor em seu matrimônio.

Se for o caso de alguém que está prestes a se casar medite sobre essa ministração e permita que o Espírito Santo ministre sua vida a este respeito, bem como o que vai ser feito e como fazê-lo de maneira a tributar glória ao Senhor – de fato o maior interessado em seu casamento!

Se você é um líder ou pastor e não vê nada de errado nisso, o Senhor te esclarecerá se for buscado em oração e com coração quebrantado.

Se você é (ou foi ou será) convidado para ir a uma festa de casamento nestes moldes, não deixe de ir, mas, priorize sua salvação e santidade buscando discernimento entre o que é “lícito” e o que “convém” participar.

Para meditação em face de tudo que foi escrito: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” – (Mateus 5:16).

 

QUESTIONAMENTOS:

O que há de ERRADO nisso?

A Bíblia nos orienta resolvermos tais questões com outra pergunta:

O que há de CERTO nisto?
Efésios 5:10 nos admoesta a "aprovar o que é agradável AO SENHOR".
Assim, devemos perguntar:
- O que é apropriado ou não?
- É certo, é correto? vai agradar ao Senhor ou a mim?
- Há algo de bom nisto?
- Isto está promovendo valores cristãos?
- Isto edifica ou enfraquece e derruba?
- Isto glorifica a Deus e é saudável?
Perguntas assim que devemos fazer para chegarmos a um consenso se estamos ou não vivendo como cristãos verdadeiros e autênticos.

Entretanto, se a resposta for:
- Mas eu gosto disto e sei que há coisas erradas com ela, mas, não posso mudar meus gostos e mesmo assim sinto que sirvo ao Senhor!
A chave para tratar deste e de outros assuntos de natureza questionável se encontra na Santa Palavra de Deus em Colossenses 3:1-2 que diz: "PORTANTO, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra".

Na vida do cristãos GOSTOS e PREFERÊNCIAS devem estar de acordo com a Palavra de Deus!
Isto é possível?
Sim!
Vamos sendo renovados dia após dia pela Palavra de Deus. Efésios 4:22-23 diz: "Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; E vos renoveis no espírito da vossa mente".


Autor: Vilson Ferro Martins
Em 02/05/2011

  1. O número DEVERÁ estar cadastrado no WhatsApp.
  2. Nome Completo(*)
    Entrada Inválida
  3. DDD + Telefone(*)
    Entrada Inválida
  4. Email(*)
    Entrada Inválida

Assine News

Inscreva-se para receber POR E-MAIL diariamente nossa palavra.
Nome
E-mail
Confirme E-mail


Artigos

Doe Agora

eBook - Livros!

   

Visitantes Online

Temos 143 visitantes e Nenhum membro online

Deus se importa

Se você precisa de uma palavra abençoadora para o seu coração, então clique AQUI.

Recursos

banner-monte-sinal